Mercado de carbono

O mercado de carbono existe desde antes da entrada em vigor do Protocolo de Quioto, quando foi possível observar, no mercado internacional, uma crescente demanda por reduções de emissões de gases de efeito estufa (GEE), de modo que a tonelada evitada de carbono equivalente (tCO2e) se transformou numa espécie de commodity mundialmente negociada.

De forma geral, o mercado de carbono divide-se em dois segmentos:

(i) Protocolo de Quioto, cujas reduções de emissões são classificadas como Quioto pre-compliance, capitaneado pela União Europeia; e
(ii) Não-Quioto, cujo principal ator são os Estados Unidos.

Entre esses extremos, pode-se também identificar mercados que têm a perspectiva de, no futuro, se integrar ao mercado de Quioto, e os que não a têm, sendo motivados por outros interesses.

 

Veja também

See also

Governança

Governança

No contexto da atuação do IPAM, governança pode ser definida como o exercício da autoridade econômica, política e administrativa para gerenciar um país ou região em todos os níveis, de modo a garantir a efetividade dos processos e das instituições, por meios das...

Acordo de Paris

Acordo de Paris

O Acordo de Paris, fechado na COP 21, em 2015, une todas as nações em torno do único objetivo de realizarem esforços ambiciosos contra as mudanças climáticas e adaptarem-se a seus efeitos, com apoio aos países em desenvolvimento. A meta é manter o aumento da...