Protocolo de Quioto

No dia 11 de dezembro de 1997, durante a Terceira Conferência das Partes (COP 3) da Convenção do Clima, realizada em Quioto, Japão, foi criado o Protocolo de Quioto. É um tratado vinculado à Convenção do Clima, pelo qual são definidas responsabilidades e obrigações das diversas partes envolvidas, em função do aumento, e suas consequências, das emissões dos gases do efeito estufa (GEE).

De acordo com o tratado, os países industrializados que o ratificaram, para que consigam cumprir as metas a que se submeteram, deveriam, pelo período entre 2008 e 2012, reduzir um percentual de gases que, ao final deste primeiro período de compromisso, corresponderia, ao todo, à uma média de redução de, aproximadamente, 2.800 milhões de toneladas.

Para tanto, o protocolo, que entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, estabeleceu três mecanismos internacionais de mercado inovadores. É nesse contexto que se insere, fruto de uma proposta brasileira, o mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL), fazendo surgir oportunidades de desenvolvimento social e econômico sustentável para os países em crescimento.

Na COP 18, em Doha, em 2012, os membros concordaram em estender o protocolo até 2020. Ele não terá um terceiro período, pois será substituído pelo Acordo de Paris, fechado em 2015, na COP 21.

Veja também

See also

Emissões antrópicas

Emissões antrópicas

Emissões produzidas como resultado da ação humana. São lançadas grandes quantidades de gás carbônico na atmosfera por tais atividades, como a queima de combustíveis fósseis, agricultura, fabricação de cimento...