×

IPAM Amazônia | Programa CapGestão Amazônia é lançado em formato on-line

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Programa CapGestão Amazônia é lançado em formato on-line

16.07.2020Notícias
daisy photographed from below

Coordenado pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), a edição do Programa CapGestão Amazônia 2020 estreou ontem, 15 de julho, em formato on-line com o primeiro seminário do módulo  Facilitação de Processos Participativos e Desenvolvimento Organizacional Participativo. A aula contou com a presença de 30 técnicos e técnicas de assistência técnica e extensão rural (Ater) – alunos da iniciativa -, além de coordenadoras do projeto e facilitadores dos próximos temas.

O novo formato possui um “pacote” de ferramentas digitais capazes de garantir a qualidade na troca de conhecimento para os técnicos e técnicas de Ater da turma deste ano. O intuito do CapGestão é aprimorar a atuação da Ater na assessoria à gestão dos empreendimentos da agricultura familiar nos municípios onde estão inseridos. A plataforma principal do ambiente de aprendizagem, chamada “Capacitar e Desenvolver”, foi disponibilizada pela Cooperação da GIZ com o Fundo Amazônia/BNDES.

O curso

Serão doze meses de formação composta por seis módulos e aplicação do conhecimento nos empreendimentos da agricultura familiar em períodos chamados “intermódulos”, contemplando os seguintes temas: Facilitação de Processos Participativos e desenvolvimento organizacional participativo; Competências econômicas através da formação de empreendedores; Organização e fomento de cadeias de valor e gênero; Regularização Sanitária; O desenvolvimento de modelos de negócios verdes; e Gestão socioambiental e diferenciação nos mercados.

“Nós esperamos que essa experiência crie subsídios capazes de facilitar a replicação do Programa CapGestão em outros territórios, contribuindo também para a agenda de inclusão digital e equidade de gênero e o envolvimento de jovens, entre outros”, explica a pesquisadora do IPAM e coordenadora do Projeto Fortalecimento de capacidades locais para a gestão de empreendimentos e ampliação da comercialização de produtos da agricultura familiar, Erika Pinto.

Outro caminho

O CapGestão Amazônia, que conta com o apoio do Instituto Humanize e a contrapartida do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, estava previsto para ser realizado presencialmente na cidade de Marabá, no Pará. Com o contexto de pandemia da covid-19, no entanto, foi necessário reestruturar estratégias e a maneira como passar todo o conteúdo aos 35 alunos participantes desta nova fase. Os técnicos e técnicas envolvidos este ano dos 14 municípios considerados pelo programa representam as seguintes entidades:

  • Secretaria Municipal de Agricultura de Marabá, Itupiranga e Tucumã
  • Secretaria Municipal de Agricultura, Indústria e Comércio de Conceição do Araguaia
  • Secretaria Municipal de Agricultura e Desenvolvimento Rural Sustentável de Floresta do Araguaia
  • Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo de Rio Maria
  • Secretaria de Produção Rural de Parauapebas
  • Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento de Anapu, Novo Repartimento e São Felix do Xingu
  • Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico de Pacajá
  • Secretaria de Meio Ambiente, Saneamento e Turismo de Xinguara
  • Prefeitura de Curionópolis
  • Associação Casa Família Rural de Anapu e Pacajá
  • Cooperativa de Reflorestamento e Bioenergia da Amazônia de Novo Repartimento
  • Cooperativa Alternativa Mista dos Pequenos Produtores do Alto Xingu/Campax de São Felix do Xingu
  • EMATER de Marabá, Sapucaia, Anapu, Itupiranga, Xinguara, São Félix do Xingu
  • Técnicos do Imaflora e IPAM
  • Empresas de Ater privada

Sobre o Programa

A essência do CapGestão é promover o ensino e a aprendizagem a partir da prática, contribuindo para o aperfeiçoamento dos serviços de Ater da região amazônica. A capacitação envolve técnicos e técnicas de diferentes entidades (públicas, privadas, sociedade civil, cooperativas e associações), a fim de fazê-los apoiarem efetivamente a qualificação de gestão e de acesso aos mercados para a agricultura familiar.

O programa é dividido em sete temas, cujos conteúdos são parte da “Caixa de ferramentas metodológicas do Guia Ater Mais Gestão” – série de instrumentos metodológicos que auxiliam os profissionais de Ater no diagnóstico de problemas e de potenciais dos empreendimentos. Essas iniciativas trazem melhorias na gestão e impactam diretamente a comercialização, a rentabilidade, a valorização e a certificação, entre outros benefícios.

Entre novembro de 2018 e novembro de 2019, 156 participantes de 75 instituições de Ater foram capacitados pelo programa. Ao total, mais de 5 mil famílias foram beneficiadas direta ou indiretamente; 174 tipos de produtos foram comercializados pelos 70 empreendimentos estudados pelos alunos; e mais de 40 municípios foram considerados pelo CapGestão.

Conheça mais: