×

IPAM Amazônia | Dissertação sobre aplicativo Alerta Clima Indígena vence prêmio Compós 2022

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Dissertação sobre aplicativo Alerta Clima Indígena vence prêmio Compós 2022

20.07.2022Notícias
daisy photographed from below
Ferramenta possibilita que indígenas criem seus próprios alertas para proteger seus territórios contra possíveis ameaças.  Foto: IPAM

Por Sara R. Leal*

A dissertação “O aplicativo Alerta Clima Indígena: digitalização das Terras Indígenas à luz da Ecologia da Comunicação” venceu o Prêmio Compós de Teses e Dissertações Eduardo Peñuela 2022, iniciativa promovida pela Compós (Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação) e que busca incentivar a qualidade e a visibilidade da produção científica no campo da comunicação.

A tese de mestrado foi apresentada pela estudante Clarissa da Silva Rayol ao Programa de Pós-graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia da UFPA (Universidade Federal do Pará), com orientação da professora Dra. Luciana Miranda Costa.

Criado em 2017, o ACI (Alerta Clima Indígena) é um aplicativo de celular gratuito desenvolvido pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), em parceria com o CIR (Conselho Indígena de Roraima), a Cocalitia (Comissão de Caciques e Lideranças da Terra Indígena Arariboia) e o Instituto Raoni. Seu objetivo é ampliar a difusão de informações sobre incêndios, desmatamento, chuvas e temperatura nas TIs (terras indígenas) da Amazônia brasileira.

Disponível para iOS e para Android, a ferramenta possibilita que os usuários que vivem nessas áreas criem seus próprios alertas para proteger e monitorar seus territórios contra ameaças iminentes. Também é possível mapear os usos tradicionais colocados em prática na TI, como roça, pesca, caça e coleta, facilitando a gestão territorial.

As informações podem ser incluídas no aplicativo por meio de fotos, textos e áudios, sem necessidade de internet, com indicação da localização exata do ponto onde foi coletado o dado. Apenas o usuário que salvou o alerta poderá ter acesso a ele e nenhuma informação sigilosa é divulgada, respeitando a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados)

Na dissertação, Rayol analisou, no âmbito da ecologia da comunicação, a digitalização das TIs experienciada pela ferramenta. “No percurso investigativo, apresentamos a descrição das organizações indígenas parceiras do aplicativo e a construção colaborativa das oficinas enquanto espaços de interlocução. Em seguida, imergimos nas arquiteturas interativas digitais da ferramenta para depois verificar os processos autônomos vivenciados pelo povo Mẽbêngôkre Mẽtyktire (Kayapó), sob a ótica de dois entrevistados residentes da Terra Indígena Capoto/Jarina localizada no Estado de Mato Grosso”, explica a estudante em sua tese.

 

*Jornalista e analista de Comunicação no IPAM.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.