×

IPAM Amazônia | Reduzir unidades de conservação põe em risco compromissos brasileiros

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Reduzir unidades de conservação põe em risco compromissos brasileiros

25.05.2017Notícias

O IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) enviou  um ofício ao Ministério do Meio Ambiente pedindo o veto presidencial às medidas provisórias 756/2016 e 758/2016, aprovadas nesta semana pelo Congresso, que reduzem unidades de conservação.

A redução mais dramática, da Floresta Nacional do Jamanxim, pode sozinha gerar um desmatamento, até 2030, de 280 mil hectares de floresta, o que gera uma emissão de 140 milhões de toneladas de CO2, o principal gás do efeito estufa.

O texto pode ser lido na íntegra abaixo.

 

Brasília, 24 de maio de 2017.

Ao Excelentíssimo Ministro de Meio Ambiente do Brasil, José Sarney Jr.

Ref. Medidas Provisórias nº 756/2016 e 758/2016

Senhor Ministro,

O IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) repudia veementemente as Medidas Provisórias nº 756/2016 e 758/2016, aprovadas nesta semana no Congresso Nacional, e recomenda seu veto pelo Presidente da República, Michel Temer. As MPs, que seguem agora para a sanção presidencial, são uma ameaça à integridade ambiental da floresta amazônica e ao cumprimento de metas de controle do desmatamento assumidas pelo Brasil perante a comunidade internacional e no Acordo de Paris.

Neste ofício, o IPAM, como instituto de pesquisa científica independente e brasileiro, elenca questões pertinentes para que o Poder Executivo, em sua atribuição, considere o veto às referidas MPs.

1. A Floresta Nacional (FLONA) do Jamaxim, principal unidade de conservação afetada pela decisão do Congresso, perderá 486 mil hectares. A desafetação dessa área é uma concessão à ocupação irregular da FLONA: segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), 67,7% dos ocupantes entraram pouco antes ou logo após a unidade de conservação ser criada. Cortar esse pedaço da FLONA para comportá-los é legitimar a ilegalidade ou, melhor dizendo, a grilagem;

2. Devido ao desmatamento decorrente da ocupação irregular descrita acima, a FLONA do Jamanxim perdeu 117 mil hectares de floresta entre 2004 e 2016 (figura 1), gerando uma emissão de 70 milhões de toneladas de CO2.

jamanxim-2004-2016

3. Este panorama de destruição se agravará ainda mais com as MPs aprovadas. A perda de proteção florestal imposta pela MP 756/2016, com base em nossos Cenários Futuros de Desmatamento, levar a FLONA Jamanxim a perder, até 2030, por volta de 280 mil hectares de floresta (figura 2), o que gera uma emissão de 140 milhões de toneladas de CO2. Tal volume de gás carbônico equivalente à emissão de gases do efeito estufa de todos os processos industriais do Brasil durante um ano e meio (SEEG 2016, baseados em dados de 2015). Se essa emissão fosse evitada e com um mercado de carbono reativado – o que se espera para um futuro próximo –, tal valor equivaleria a US$ 700 milhões, considerando o valor de US$ 5/tCO2 assumido pelo Fundo Amazônia.

jamanxim_2030

As MPs recém-aprovadas pelo Congresso Nacional impõem um risco de descrédito político e reputacional nacional e internacional, pois vão na contramão das promessas brasileiras de redução de emissões de gases do efeito estufa, conforme retificado pelo país em sua Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC).

O risco pode ser também econômico. Proteção florestal, num contexto de mudança climática, representa a manutenção de um regime climático, incluindo de chuvas, mais estável. Sem florestas, haverá impactos econômicos consideráveis na produção agrícola futura.

Por fim, o IPAM gostaria de pontuar que a aprovação de tais medidas provisórias seria um claro desrespeito ao esforço do próprio Executivo, nos últimos anos, de exterminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030. Tais medidas desvalorizam a principal e mais efetiva estratégia de contenção do desmatamento na Amazônia historicamente utilizada por este Ministério do Meio Ambiente.

Sem mais, colocamo-nos à disposição para detalhamentos, confiantes da decisão Executiva pelo fortalecimento do sistema nacional de unidades de conservação.

André Guimarães

Diretor-executivo

IPAM – Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia