×

IPAM Amazônia | MapBiomas detalhará série histórica de emissões de gases de efeito estufa

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

MapBiomas detalhará série histórica de emissões de gases de efeito estufa

03.10.2017Notícias
daisy photographed from below

Caminhando para o lançamento da coleção três, o que deve ocorrer no primeiro semestre de 2018, o MapBiomas deu um salto de metodologia com o uso ampliado da técnica random forest, capaz de produzir  mapas de classes de uso do território com alta acurácia ao longo dos anos. Isso trará grande aumento da estabilidade das classes mapeadas para a série histórica em relação à coleção dois, lançada no início de 2017.

Este avanço pode impactar diretamente na compreensão dos processos de degradação e regeneração da vegetação ao longo dos anos, permitindo cálculos cada vez mais confiáveis da emissão de gases de efeito estufa para a atmosfera, podendo subsidiar uma série de iniciativas governamentais e do terceiro setor.

“Esse salto favorece muito a consistência temporal dos mapas, gerando informação de qualidade para discussões sobre políticas públicas. Esse nível de detalhamento pode ajudar o Brasil a desenhar estratégias adequadas para cumprir o Acordo de Paris”, afirma Felipe Lenti, pesquisador do IPAM.

A coleção três trará o mapeamento dos biomas brasileiros desde 1985, ampliando o levantamento já disponível, de 2000 a 2016, e dessa forma contando a história recente de ocupação do solo no Brasil.

mapbiomas3

Estas melhorias foram discutidas por 28 participantes na 10a Oficina de Trabalho do Projeto MapBiomas, realizada em Brasília, com membros das equipes de todos os biomas (Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal, Cerrado, Caatinga e Pampa) e temas transversais (Agricultura, Pecuária e Zona Costeira) bem como as equipes de infraestrutura, suporte, registro e coordenação.

A acurácia global da coleção dois, atualmente disponível no site oficial do projeto, já está em aproximadamente 80%. Os dados dessa coleção revelaram algumas más notícias, como a perda de 20% da área de manguezais entre 2001-2015, em parte destruídos pela expansão urbana e de 13% do Pantanal, o bioma brasileiro mais preservado, que viraram área de pastagem. Já o Cerrado teve perdas proporcionalmente três vezes mais elevadas do que a Amazônia. Por outro lado, a quase extinta Mata Atlântica teve uma regeneração de 2,5 milhões de hectares, o equivalente a quase uma Bélgica.

O MapBiomas é uma iniciativa do Observatório do Clima e do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), em colaboração com 18 instituições, entre universidades, ONGs e empresas de tecnologia, incluindo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – IPAM.