×

IPAM Amazônia | Artigo no jornal “Folha de S.Paulo”: do que o agronegócio tem medo?

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Artigo no jornal “Folha de S.Paulo”: do que o agronegócio tem medo?

12.12.2016Artigos
daisy photographed from below

por Paulo Moutinho*

Em 2012, a bancada ruralista realizou o sonho que acalentava havia mais de uma década: mudar o Código Florestal. A lei foi enfraquecida e recortada sob medida para atender aos interesses dos terratenentes. Agora que o governo dá sinais de que está disposto a fazê-la cumprir, o agro “pop” parece se arrepender.

No centro da polêmica está a decisão do governo federal de abrir para consulta pública os dados do Cadastro Ambiental Rural, o CAR. De agora em diante, qualquer cidadão pode olhar imagens de satélite de mais de 3 milhões de propriedades rurais em todo o país para saber se elas estão desmatando ilegalmente ou recuperando florestas.

A plataforma (www.car.gov.br/publico/imoveis/index) foi anunciada em 28/11, mesma data em que saíram os dados que mostram um aumento de 29% no desmatamento na Amazônia -uma má notícia para um governo que ainda busca se firmar frente à opinião pública.

A medida causou alvoroço entre os ruralistas, que já pediram publicamente a cabeça do ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho (PV), para conseguir isenções na lei de licenciamento ambiental.

Representantes do setor vaticinaram que Sarney estaria assinando a própria demissão ao abrir o CAR ao público. Segundo eles, trata-se de uma violação de privacidade inadmissível, uma entrega de informações estratégicas do agronegócio brasileiro à concorrência estrangeira -ou, pior, às ONGs ambientalistas.

Tal discurso contraria os interesses do próprio setor produtivo. Primeiro, ao ressuscitar a polarização tola entre “produção” e “preservação”, que os ruralistas juraram que a mudança no Código Florestal viria sanar para sempre.

Segundo, ao sinalizar para o mercado internacional de commodities que o velho Brasil do desmatamento sem controle e dos desmandos do latifúndio parece estar de volta.

Os ruralistas fariam bem em ler a lei que eles mesmos aprovaram em 2012. Lá está escrito que o Cadastro Ambiental Rural é um “registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais (…) compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento”. Transparência, portanto, está na própria essência do instrumento. O ministro do Meio Ambiente está apenas dando o “cumpra-se” a uma previsão legal. Com atraso, aliás.

O monitoramento, além disso, não é uma invenção nova: o Ibama mantém na internet desde 2008 uma lista de propriedades embargadas por desmatamento ilegal, que, diferentemente do CAR, contém o nome de cada proprietário.

Além de tudo, a transparência é uma oportunidade comercial para o Brasil. Tradings do agronegócio, grandes compradores de commodities e bancos que aderem a protocolos verdes terão sua vida imensamente facilitada pelo cadastro ambiental público.

Setores mais modernos do agronegócio já perceberam isso -tanto que a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, da qual a Sociedade Rural Brasileira faz parte, manifestou-se publicamente a favor da transparência.

A parcela minoritária, mas estridente, de representantes do agronegócio que opta por tentar matar o mensageiro em vez de escutar a mensagem deve ter algo muito grave a esconder.

* PAULO MOUTINHO, biólogo, é pesquisador-sênior do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), organização integrante do Observatório do Clima e do Observatório do Código Florestal.

Artigo originalmente publicado no jornal “Folha de S.Paulo” no dia 6 de dezembro de 2016.