×

IPAM Amazônia | Sônia Guajajara e povos indígenas têm retomada com novo ministério

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Sônia Guajajara e povos indígenas têm retomada com novo ministério

11.01.2023Notícias
daisy photographed from below
Sônia Guajajara durante sessão na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

Sônia Guajajara, lideranças e povos indígenas fazem história nesta quarta-feira (11) com a posse do novo Ministério dos Povos Indígenas do Brasil. O IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) celebra a conquista coletiva e inédita, que marca séculos de luta, organização e resistência dos povos indígenas brasileiros, e saúda todas as pessoas empossadas nesta que é a primeira gestão do órgão.

“Ter Sônia Guajajara no primeiro escalão do Governo Lula ressalta a importância que os povos originários merecidamente terão neste governo. Sônia é uma líder nata e guerreira, o movimento indígena não poderia ter melhor representante para fortalecer e levar adiante suas pautas”, avalia Ane Alencar, diretora de Ciência no IPAM.

A criação do Ministério dos Povos Indígenas do Brasil sinaliza uma nova etapa na política institucional do país. Com o mote “aldear a política” nas Eleições de 2022, candidaturas indígenas ressaltaram a importância da presença de representantes dos povos originários em espaços de tomada de decisão e de formulação de políticas públicas. “Nada sobre nós sem nós” é outra mensagem de movimentos e lideranças indígenas que destaca o momento de ruptura com a invisibilização secular desses povos.

O protagonismo às lideranças indígenas é fundamental para que possamos caminhar em direção à reparação, à equidade, a um desenvolvimento econômico que inclua e respeite a sociobiodiversidade com repartição justa de benefícios. Enfim, rumo a um futuro com justiça social e climática, tendo garantidas a proteção das riquezas naturais, a mitigação e adaptação aos efeitos da emergência no clima do planeta.

As terras indígenas são as áreas mais conservadas do Brasil. Só 1,6% da perda de florestas e vegetação nativa entre 1985 e 2020 ocorreu nesses territórios. Ao mesmo tempo, são lugares ameaçados: de 2019 a 2021, seis das dez terras indígenas com maior aumento no desmatamento na Amazônia têm povos isolados, de acordo com estudo publicado nesta quarta pelo IPAM e pela COIAB (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira). O bioma tem a maior concentração de territórios com povos indígenas isolados do mundo: 44, doze deles estão sob risco alto ou muito alto.

Com tecnologias e saberes ancestrais, os povos indígenas têm muito a nos ensinar, e nós, a aprender. Que aprendamos, então, com elas e eles, nas aldeias, nas cidades, nas escolas, nas universidades, nos espaços de poder, a como viver.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.