×

IPAM Amazônia | Produtores recebem capacitação para o fortalecimento de cadeias

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Produtores recebem capacitação para o fortalecimento de cadeias

25.10.2021Notícias
daisy photographed from below

Cerca de 40 agricultores familiares apresentaram à prefeitura e a parceiros do projeto REM/Mato Grosso suas principais demandas para aumentar a produtividade.

O IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), junto à prefeitura do município de Querência, Mato Grosso, realizou, durante os dias 16 e 17 de outubro, um encontro com pequenos produtores para que estes apresentassem suas principais dificuldades na produção. Na ocasião, foram ministradas aos participantes palestras sobre fortalecimento das cadeias produtivas da agricultura familiar, especificamente voltadas à mandiocultura, fruticultura e apicultura (mel).

A primeira etapa do projeto Agroflorestas de Querência, REM/MT (Redd Early Movers/Mato Grosso) – programa de financiamento à redução das mudanças climáticas – aconteceu presencialmente e contou com todos os protocolos para evitar a propagação do Covid-19, como uso de máscara, distanciamento social e álcool em gel.

Segundo o coordenador regional do IPAM em Mato Grosso, Richard Smith, o objetivo da capacitação é atender às demandas apresentadas pelos produtores do município à prefeitura – tais como preparo do solo (gradeamento, nivelamento, correção com calcário e adubação), materiais para a produção do mel, necessidade de insumos para a irrigação e maquinário – e a partir do encontro, debater e apresentar soluções.

Durante o levantamento realizado nos dois dias de capacitação, foram identificadas questões como o preparo e fertilidade do solo, plantação de árvores frutíferas para a consolidação de sistemas agroflorestais, a iniciação e ampliação da apicultura, dentre outros. Com a evolução do projeto, os parceiros irão definir soluções para melhor atender cada um desses gargalos.

Dinâmica

Serão oferecidos cinco módulos até maio de 2022. Na fase inicial, os participantes tiveram acesso ao módulo I sobre Arranjos produtivos (demandas e soluções). Além deste, serão desenvolvidos mais quatro, sendo eles: Beneficiamento da Produção (farinha, polpas de frutas e mel); Plano de Negócios (acesso a mercados e comercialização); Associativismo e Cooperativismo; e Gestão de Empreendimentos e Sistemas Produtivos Sustentáveis.

Em busca de soluções

O IPAM atua em quatro assentamentos, com cerca de mil lotes no total, onde busca fortalecer a cadeia produtiva de Querência (MT). Diversas famílias da região estão dispostas a modernizar sua produção e aperfeiçoar seus métodos agrícolas para alcançar um aumento da produção e um ambiente mais sustentável.

Para auxiliar no desenvolvimento rural da cidade, surgiu o projeto Agroflorestas de Querência (REM/MT) que, na prática, em parceria à prefeitura e à Unicafes (União Nacional das Cooperativas de Agricultura Familiar e Economia Solidária), pretende construir uma casa de sementes nativas em Querência, bem como reformar o viveiro e a Casa do Mel municipal, a fim de atender aos produtores rurais da região.

Dentre os produtores da região, havia uma percepção de que projetos passados tiveram “muita conversa e pouca ação”, segundo o secretário de Meio Ambiente e Agricultura de Querência, Rodrigo Fenner. “Por isso, dessa vez, tivemos a preocupação de abrir espaços para colher uma grande quantidade de opiniões dos próprios produtores: como funciona, o que eles esperavam do encontro, qual seria a parte da secretaria, como poderia ocorrer a ação do IPAM. Foi uma capacitação bem diferente do que já estava acontecendo no município e deu uma injeção de ânimo nos produtores”, contou.

Para Fenner, capacitações como a que ocorreu são imprescindíveis para o desenvolvimento da agricultura familiar da região, uma vez que são por meio dessas reuniões que toda a organização e planejamento são feitos.

Dentro do escopo da iniciativa, haverá ainda a disponibilização de um recurso de no mínimo R$ 1.500 para cada produtor rural, a fim de auxiliar no fortalecimento da agricultura familiar local, além de propor ações de melhoria e de logística para facilitar a produção de frutas, legumes e mel no município.

Saiba mais sobre o REM – Mato Grosso

O projeto Agroflorestas de Querência (REM/MT) propõe a remuneração de serviços ambientais que buscam a conservação da floresta nativa e a redução de emissões de gases do efeito estufa. O REM tem como financiadores o governo da Alemanha e do Reino Unido.

O financiamento foi dividido em 60% para os subprogramas de povos tradicionais que possuem interesse em manter a floresta em pé, além de disponibilizar recursos para a agricultura familiar. Os outros 40% são direcionados a entidades de governo que fomentam o desenvolvimento de políticas públicas estruturantes.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.