×

IPAM Amazônia | Oficina aponta novos caminhos para a regularização ambiental

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Oficina aponta novos caminhos para a regularização ambiental

04.03.2020Notícias
daisy photographed from below

O IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), em parceria com a Fetacre (Federação de Trabalhadores na Agricultura do Estado do Acre), a Embrapa Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Sema do Acre (Secretaria de Meio Ambiente), promoveu, nos municípios de Rodrigues Alves e Mâncio Lima, uma oficina de capacitação em Planejamento e Gestão Ambiental de Agroecossistemas do Imóvel Rural.

A iniciativa reuniu agricultores familiares e organizações de base da produção familiar (sindicatos, associações, cooperativas) de oito cidades do Acre, entre os dias 17 e 18 de fevereiro.

Com o intuito de apresentar ao público da agricultura familiar as possibilidades de recuperação de áreas degradadas com fins econômicos, e as vantagens do uso adequado dos recursos naturais, foram discutidos, durante os dois dias de oficina, instrumentos e alternativas viáveis à realidade local para a regularização da propriedade rural, sob o ponto de vista ambiental e produtivo.

A oficina de capacitação contou com o conhecimento e informações de diversos parceiros como a Fetacre – representada pela coordenadora estadual das Mulheres Tralhadoras, Fátima Rocha -, além da Embrapa e da Sema do Acre.

Troca de informações

No âmbito das políticas públicas estaduais, técnicos da Sema falaram sobre as principais oportunidades que o PRA (Programa de Regularização Ambiental do Acre) traz aos produtores, dando ênfase ao desenvolvimento rural sustentável. Além disso, a Embrapa mostrou pesquisas e tecnologias voltadas para a agricultura familiar.

O Cláudio Cavalcante, coordenador técnico da Sema Acre, destacou a importância da capacitação como uma forma de estimular ações que melhorem as condições de vida do agricultor familiar no campo.

Segundo o engenheiro florestal da Sema Acre, André Pellicciotti, o acesso a essas informações estimula os produtores a procurarem novos caminhos para lidar com o solo e com a floresta. “E isso é fundamental para a sustentabilidade dos sistemas produtivos, em um processo de reincorporação de áreas degradadas e alteradas, na promoção e geração de emprego e renda, na segurança alimentar, na recomposição florestal de passivos ambientais, no agronegócio e na melhoria de vida das comunidades envolvidas”, explica.

A coordenadora regional do IPAM, Jarlene Gomes, endossa o discurso e diz que esses encontros auxiliam a direcionar estratégias de forma participativa e a buscar a melhor solução na execução local dos projetos. “Essa iniciativa qualifica a informação e gera conhecimento aos produtores, no que diz respeito ao entendimento das políticas púbicas e dos seus benefícios para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental de cada território”, afirmou.

Para Gomes, é essencial mobilizar sindicatos e associações de produtores rurais, organizações da sociedade civil e gestores governamentais, para constituir uma rede de apoio ao produtor rural no processo de inclusão de seu imóvel no PRA, uma vez que isso pode trazer a eles, geração de renda e segurança jurídica.

Sustentabilidade e lucro

Previstas na programação, produtores também visitaram pequenas propriedades que, com o manejo adequado do solo e com o uso de tecnologias de produção simples e acessível, conseguiram, de forma simultânea, gerar renda e recuperar suas áreas anteriormente degradadas. No Viveiro das Mudas, no município Mâncio Lima (AC), por exemplo, os participantes puderam observar o processo desde o plantio de mudas até os custos da produção e do sistema consorciado em pequena escala.

O Romoaldo, do Viveiro de Mudas, conta que, com a adoção de novas tecnologias e de mecanismos de manejo do solo, áreas, antes degradadas, estão se tornando produtivas.

Para o presidente do sindicato Rural, Jailton da Penha, foi uma experiência rica poder ter visto na prática que é possível produzir de maneira sustentável e, ainda assim, gerar renda.

A oficina de Planejamento e Gestão Ambiental de Agroecossistemas de Imóveis Rurais faz parte das ações previstas pelo projeto NovaBov, desenvolvido pelo IPAM e parceiros. Além do Acre, essa iniciativa já ocorreu no Pará, capacitando mais de 370 produtores rurais.

Com informações de texto publicado originalmente na Agência Acre.