×

IPAM Amazônia | Livro recém-lançado apresenta reflexões do Brasil pós-pandemia

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Livro recém-lançado apresenta reflexões do Brasil pós-pandemia

10.08.2020Notícias
daisy photographed from below

Lançado na última quarta-feira, dia 5, o livro “Brasil Pós-Pandemia: reflexões e propostas”, traz uma discussão sobre o que a sociedade pode aprender com a pandemia da Covid-19. A obra, que sugere um ponto de partida para o debate acerca do tema, conta com 14 capítulos elaborados por pesquisadores de diferentes áreas, dentre eles o cientista e pesquisador sênior  do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amzônia), Paulo Moutinho.

Em parceria com as pesquisadoras Carolina Levis  – doutora em ecologia pelo Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) – e Isabelle Lopes Picelli – mestra em ciência política pela UnB (Universidade de Brasília) -, Moutinho apresenta o artigo “O futuro da Amazônia e seus povos diante da maior crise ambiental e sanitária deste século”. Nele, os cientistas alertam que o novo cenário “requer análise e conhecimento quanto aos meios para conter a pandemia na Amazônia. É urgente que se alcance o fim do desmatamento e das queimadas ilegais. Caso contrário, o que assistiremos nas próximas décadas será mais do que perda de biodiversidade. Perderemos muitas vidas e culturas humanas”, escrevem.

A obra pretende refletir aspectos estratégicos, propor ideias para os tomadores de decisão, ou mesmo servir de fonte de pesquisa para a comunidade não somente acadêmica, mas também para a população em geral.

Nas mais de 300 páginas, os autores discorrem a respeito dos setores mais afetados pela pandemia e tão fundamentais para a retomada do Brasil como a saúde pública, a ciência e tecnologia, a internet, o trabalho remoto, a Amazônia e seus povos, as políticas públicas ambientais, o jornalismo científico, a indústria fármaco-hospitalar, as inovações e patentes, a judicialização para o acesso à saúde, as relações diplomáticas brasileiras, a produção de alimentos e, por fim, um tema que é capaz de sintetizar todos os demais: a exclusão social, sob o olhar da economia e o trabalho, ainda mais exposta pela crise sanitária.

Brasil Pós-Pandemia: reflexões e propostas” foi publicado pela Editora Alexa Cultura, organizado pelos pesquisadores Ronaldo Santos e Marcio Porchmann e pode ser lido na íntegra, gratuitamente, clicando aqui.