×

IPAM Amazônia | Laser ajuda cientistas a estudarem o Cerrado típico com mais precisão

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Laser ajuda cientistas a estudarem o Cerrado típico com mais precisão

20.12.2019Notícias
daisy photographed from below

Um estudo inédito publicado por pesquisadores do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), da UnB (Universidade de Brasília), da UEG (Universidade Estadual de Goiás) e da agência de pesquisa australiana Csiro (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation) – mostra o potencial da tecnologia LiDAR (Laser Detection And Ranging ou Sistema de Varredura a Laser) para melhor compreender a vegetação do Cerrado típico, com árvores retorcidas e mais baixas. É a primeira vez que essa tecnologia é aplicada no bioma.

Em artigo científico publicado na revista “Forest Ecology and Management”, os autores descrevem como o LiDAR pode, por exemplo, otimizar e dar melhor precisão às estimativas de biomassa das árvores, especialmente onde a estrutura da vegetação é esparsa. Isso é importante para, por exemplo, saber qual é o impacto do desmatamento de uma área de Cerrado típico para o agravamento das mudanças climáticas, ou quanto de carbono a regeneração tira da atmosfera.

Os métodos mais comuns para medir a composição e estrutura da vegetação – como o diâmetro ou a altura das árvores – são os de campo, nos quais os pesquisadores realizam as medições de forma manual. Essa coleta pode ser destrutiva ou não destrutiva. Na primeira, tem-se o corte da árvore, a partir do qual mede-se o seu diâmetro, a sua altura, o seu peso e a densidade da madeira. Esse é o método mais preciso e é com ele que os cientistas criam uma equação que será usada como referência pelo método não destrutivo. Neste último – o mais utilizado pelos pesquisadores – uma área de savana é definida – conhecida como “parcela”, geralmente medindo 20×50 metros –, na qual não há corte da árvore e são feitas as coletas dos dados de altura e diâmetro. Após definido os dois parâmetros, aplica-se a equação de referência para a estimativa de biomassa e, posteriormente, a quantidade de carbono de cada árvore.

Segundo o estudo, no caso da varredura por laser terrestre, esses processos manuais, se realizados em florestas de Cerrado típico, podem ser acelerados, obtendo resultados em 3D bem mais precisos

 “Ter métodos que meçam a biomassa de forma precisa e rápida é muito importante nesse contexto de degradação e desmatamento. Precisamos saber o que estamos perdendo. Essa otimização aparece como uma aliada para desenvolver mais conhecimento acerca dessas ameaças”, explica a pesquisadora do IPAM e uma das autoras do estudo, Barbara Zimbres. “Compreender as variações estruturais nos ecossistemas, como eles funcionam, quais são suas respostas a perturbações e a mudanças ambientais ajudam no planejamento de medidas de mitigação dos impactos induzidos pelo homem”, complementa.

Pesquisadora do IPAM, Bárbara Zimbres, utilizando o LiDAR para estimar a biomassa no Cerrado. Foto: Divulgação/IPAM
Pesquisadora do IPAM, Bárbara Zimbres, utilizando o LiDAR para estimar a biomassa no Cerrado. Foto: Divulgação/IPAM

Até onde a luz alcança

A pesquisa foi realizada em três áreas do Cerrado cujas formações são distintas: o Jardim Botânico do Distrito Federal, uma área protegida onde há o Cerrado típico (árvores mais dispersadas); a Fazenda de Água Limpa, propriedade da UnB, em Brasília, que abriga mata de galeria (aquela que acompanha cursos d’água); e a Fazenda Clementino, em Goiás, com vegetação arbórea mais densa e alta do que o Cerrado típico, também chamada de “Cerradão”.

“No Cerrado típico, conseguimos calibrar com o LiDAR um modelo bem preciso para a biomassa. Nas outras fisionomias, contudo, essa varredura foi menos certeira. Por serem mais altas, com sub-bosque mais denso, é possível que o scanner não tenha conseguido capturar pontos da parte mais elevada das árvores, resultando em um modelo pouco adequado”, afirma Zimbres.

Confira o vídeo feito pelos pesquisadores utilizando o LiDAR: