×

IPAM Amazônia | IPAM inicia oficinas para plano de desenvolvimento sustentável de Chapadinha

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM inicia oficinas para plano de desenvolvimento sustentável de Chapadinha

16.11.2021Notícias
daisy photographed from below
Oficina realizada no município de Chapadinha, no Maranhão. Foto: IPAM.

Em outubro deste ano, 300 lideranças e 51 organizações sociais da microrregião de Chapadinha, no Maranhão, participaram de oficinas ministradas pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) para o levantamento de dados que possam contribuir na elaboração do Plano Regional de Desenvolvimento Sustentável da Produção Familiar da microrregião de Chapadinha.

A iniciativa integra a estratégia de inclusão socioeconômica da produção familiar no desenvolvimento econômico local e contou com o apoio da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (AGERP), da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF) e da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (SAGRIMA). A estratégia faz parte do Projeto Cadeias Sustentáveis, uma parceria entre o governo do Estado do Maranhão e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, com apoio do IPAM, que tem como objetivo aumentar a sustentabilidade de cadeias produtivas no Maranhão.

A secretária adjunta da SAF/Maranhão, Luciene Dias Figueiredo, entende que “planejar com as pessoas ações que impactam suas vidas é garantir que mudanças positivas possam de fato acontecer. Daí a importância das oficinas para a elaboração do Plano Regional. Posteriormente, para a transformação acontecer, será fundamental a mobilização de recursos e a construção de novos planos de desenvolvimento.”

Na primeira etapa, quatro municípios foram contemplados: Chapadinha, Mata Roma, Anapurus, Brejo e Buriti. Em seguida foi a vez das cidades de Urbano Santos, Belágua, Milagres do Maranhão e São Benedito do Rio Preto.

As informações coletadas durante as oficinas possibilitam identificar os desafios, suas respectivas soluções sobre a produção familiar local, quem são os responsáveis e quais são os prazos para tais propostas. O objetivo é utilizar esse material na construção do Plano, transformando-o em um instrumento orientador de políticas públicas municipais, estaduais e federais.

“Dada a representatividade significativa do segmento de produção familiar na economia do território, atores locais, junto ao IPAM, entenderam a importância de construir este Plano”, explica a diretora adjunta de Desenvolvimento Territorial do IPAM, Lucimar Souza. “Esperamos que, além de definir ações importantes, o documento se torne um instrumento orientador de políticas públicas e auxilie a produção familiar na busca por novas parcerias, tanto da iniciativa privada, quanto de outros atores da região que possam contribuir para esse desenvolvimento”, complementa.

Primeiros passos

A agricultura familiar da microrregião de Chapadinha é representada por 92% dos estabelecimentos rurais e é responsável por 96% da produção de mandioca, 91% da criação de aves e suínos e 82% de caprinos, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2017. No entanto, somente 2% desses produtores são contemplados por assistência técnica e 4% fizeram uso de algum tipo de financiamento. O desafio mostra-se ainda maior ao considerar que 76% dos produtores da microrregião nunca frequentou a escola ou concluiu apenas os primeiros anos do ensino fundamental.

Os percentuais acima reforçam a necessidade de estratégias que identifiquem potenciais negócios e empreendimentos sustentáveis, e que apoiem o desenvolvimento da agricultura familiar local. De acordo com Souza, o Plano “contribuirá no aumento da governança e da segurança socioambiental, jurídica e territorial da microrregião, melhorando a inclusão socioeconômica dos agricultores familiares, dos povos e comunidades tradicionais e a promoção da integridade e da utilização sustentável dos recursos naturais da região”.

Área de atuação do Projeto Cadeias Sustentáveis

Área de atuação do Projeto Cadeias Sustentáveis

Elaboração

As oficinas foram baseadas na ferramenta metodológica de Diagnóstico Rápido Participativo (DRP). O levantamento sistematiza as informações em dez eixos temáticos: 1. Produção Rural; 2. Ordenamento Fundiário; 3. Infraestrutura e segurança pública; 4. Saneamento Básico; 5. Saúde; 6. Educação; 7. Meio Ambiente e Turismo; 8. Lazer, Esporte, Cultura; 9. Organizações Social; 10. Ordenamento fundiário.

Para os participantes, como Chico Viana da Reserva Extrativista – Resex Chapada Limpa do município de Chapadinha, “foi um momento de muito aprendizado e de muita fala sobre a agricultura familiar”. Carlos Borromeu, também participante da mesma cidade, concorda e destaca a relevância de pensar em caminhos para os desafios: “Uma pessoa só envelhece quando os seus sonhos viram lamentos.”

Segundo a coordenadora do IPAM no Maranhão, Isabela Pires, o tempo proporcionado pelas oficinas foi necessário “para sair de um patamar de ‘muro das lamentações’ à construção coletiva de uma proposta que traga soluções efetivas aos desafios enfrentados pela produção familiar da microrregião.”

Para o assessor técnico da GIZ, André Machado, o trabalho do IPAM em elaborar os planos de desenvolvimento da agricultura familiar, com grande participação social, é um esforço estratégico e fundamental para o Projeto Cadeias Sustentáveis. “Isso reforça a importância e a necessidade de uma abordagem territorial e de uma agenda coletiva e interinstitucional para o desenvolvimento da agricultura familiar na região”.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.