×

IPAM Amazônia | IPAM e Embrapa fecham acordo com prefeitura sobre mudanças climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM e Embrapa fecham acordo com prefeitura sobre mudanças climáticas

13.02.2020Notícias
daisy photographed from below

O IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia), a Embrapa/AC (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária no Acre) e a UFac (Universidade Federal do Acre) firmaram parceria com a Prefeitura Municipal de Rio Branco (AC), com o intuito de elaborar o Plano Municipal de Mitigação e Adaptação às Mudanças do Clima e o Plano Municipal de Agricultura Familiar, para subsidiar a criação e implementação de políticas públicas relacionadas à agricultura familiar e às mudanças climáticas pelos próximos 20 anos.

“Nós estamos fazendo os dois planos de forma integrada, e ao mesmo tempo, com participação da comunidade,uma vez que nós precisamos garantir que esses resultados sejam positivos e efetivos para a nossa cidade”, declarou a prefeita de Rio Branco (AC), Socorro Neri durante oficina participativa realizada hoje para elaboração dos planos.

Segundo o diretor de políticas públicas e desenvolvimento territorial do IPAM, Eugênio Pantoja, esse tipo de planejamento é fundamental para o crescimento das regiões amazônicas. “São planos muito importantes porque eles vão permitir tomadas de decisão fundamentadas em informações cientificas e técnicas bem sólidas”, esclareceu. 

O secretário municipal de Meio Ambiente, Aberson Carvalho, afirmou que os planos irão integrar as ações que estão sendo desenvolvidas desde a agricultura familiar até os impactos que essas atividades causam no meio ambiente. “Quando a gente fala de clima estamos falando de vários setores envolvidos, desde as questões de relações humanas e toda influência do seu meio. Nós estamos criando um projeto para 20 anos, calculando o seu avanço e mensurando os resultados”, explicou.

Já o secretário municipal de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Econômico (Safra), Paulo Sérgio Braña Muniz, destacou a importância da participação de produtores rurais e da comunidade. “Só conseguiremos atingir nossos objetivos se os produtores, que são parte fundamental desse processo, estiverem conosco. Pretendemos fortalecer a agricultura familiar, assegurando o abastecimento e o acesso aos alimentos, qualificação dos equipamentos públicos de comercialização, geração de emprego e renda, manutenção do trabalho no campo, e promoção de práticas sustentáveis de produção”, disse.

Com informações de texto publicado originalmente no site da Prefeitura de Rio Branco.