×

IPAM Amazônia | IPAM e Eletronorte entregam galpão para agricultores familiares

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM e Eletronorte entregam galpão para agricultores familiares

12.11.2019Notícias
daisy photographed from below

Agricultores familiares de Itaituba e de Aveiro, municípios do Pará, viram, no último dia 8, o portão de alumínio de um novo galpão se abrir na sede do município. Com 220m², a estrutura é agora ponto de encontro entre produtores dos assentamentos Ypiranga e Cristalino II e seus consumidores, que poderão buscar pessoalmente os produtos previamente escolhidos e pagos pela internet. Além disso, o espaço vai abrigar as frutas e hortaliças excedentes.

A entrega da estrutura faz parte de uma iniciativa firmada, em agosto de 2018, entre o IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) e instituições locais, financiada pela Eletronorte, via Projeto Negócios Familiares Sustentáveis e ligada à Rede de Comercialização Solidária do Tapajós.

O pesquisador Edivan Carvalho, coordenador regional do IPAM, diz que as obras irão permitir um aumento no volume de produtos comercializados e na renda dos agricultores familiares. “De maio a novembro foram movimentados mais de R$ 60 mil. A perspectiva é que a nova estrutura estimule um incremento de 30% nos valores mensais de vendas”, completa.

Para a produtora rural Edinalva Sousa, do Projeto de Assentamento Ypiranga, a entrega do galpão é importante para armazenar seus produtos, que, com a Rede de Comercialização Solidária, passaram a ter um destino seguro, evitando o desperdício. “O projeto é uma luz na nossa vida. Antes, o que produzíamos era vendido por um valor baixo para o atravessador. Hoje, podemos conhecer nossos consumidores e temos um total controle [da produção]”, conta Edinalva.

Capacitação

No dia anterior à inauguração do novo galpão, um pedaço de chão de terra batida no meio do Projeto de Assentamento Cristalino II, no município de Aveiro (PA), tornou-se a base de um infocentro dentro da comunidade.

O espaço, construído pela Associação Santa Inez como contrapartida ao projeto, servirá para capacitar crianças e adultos em tecnologia da informação e comunicação, bem como para articular as vendas de produtos agrícolas a consumidores da cidade de Itaituba (PA).  

Novo espaço no assentamento Cristalino II, o infocentro receberá crianças e adultos para capacitação. Foto: divulgação/IPAM

Investimento

Para que os empreendimentos fossem consolidados, o IPAM repassou, em janeiro deste ano, R$ 60 mil de recursos próprios para a doação do terreno em Itaituba. A empresa Eletronorte, por sua vez, injetou cerca de R$ 140 mil na construção do galpão. As obras iniciaram em junho e também contaram com o financiamento de diversas outras instituições – responsáveis pela outra parte dos investimentos.

O gerente de divisão de Meio Ambiente da Eletronorte, José Pierre Arnoud diz que esse é um passo essencial para alavancar outras iniciativas por parte das comunidades locais. “Isso dará mais visibilidade ao projeto. Além disso, nosso apoio vem no sentido de desenvolver a base de alimentação brasileira”, explica.

A rede

O projeto de comercialização solidária surgiu em 2016 e envolve, atualmente, 50 agricultores da produção familiar dos projetos de assentamento Cristalino II e Ypiranga, no Pará. A experiência permite aproximar produtores a um mercado estratégico, ligado à economia local.

Atualmente, a iniciativa possui cem consumidores cadastrados. A compra é feita por uma plataforma digital, semanal ou mensalmente, que permite aos agricultores saber de antemão quanto irão receber e o que precisam produzir. O valor mínimo de compra de R$ 200, estipulado no início do projeto, já não é mais determinado. O comprador tem liberdade para escolher o que quer levar para casa.

A presidente da Associação Santa Inez, Maria da Cruz, assegura que a iniciativa mudou a realidade das famílias: “Hoje a gente trabalha, a gente colhe e vende nossos produtos e tem o nosso sustento”, conta.

Os novos espaços, segundo Carvalho, consolidam de vez a Rede de Comercialização Solidária do Tapajós e abrem oportunidades de crescimento na oferta de alimentos saudáveis, que asseguram a manutenção das famílias no meio rural. “Esse resultado só foi possível graças à articulação dos parceiros locais”, afirma.

Parceiros

Junto ao IPAM e à Eletronorte, tiveram participação ativa no projeto:

  1. Associação de agricultores familiares da comunidade Santa Inez PA Cristalino II – Associação Santa Inez;
  2. Associação Comunitária Baixão Bonito;
  3. Associação Comunitária dos Pequenos e Médios Agricultores do Itapacurá Grande – ACPMAIG;
  4. Cooperativa Mista de Jovens, Mulheres e Agricultores Familiares do território da BR 163 – COOPEMJAF BR 163;
  5. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do estado do Pará – Emater-Pará / regional Tapajós;
  6. Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do estado do Pará – regional Tapajós/BR 163;
  7. Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Tapajós – Instituto Tapajós;
  8. Instituto Federal do Pará – campus Itaituba;
  9. Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira – CEPLAC;
  10. Instituto Sociedade Solidária;
  11. Ministério Público do estado do Pará – MPPA Itaituba;
  12. Secretaria de Agricultura e Abastecimento de Itaituba – SEMAGRA;
  13. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (SEDAP – regional Itaituba);
  14. Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas (Sebrae Tapajós)
  15. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Tapajós);
  16. Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Aveiro – STTR Aveiro.