×

IPAM Amazônia | Jovens precisam ser envolvidos na pauta ambiental, diz pesquisadora

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Jovens precisam ser envolvidos na pauta ambiental, diz pesquisadora

12.09.2022Notícias
daisy photographed from below
Alunos da Centro de Ensino Fundamental Caseb participaram de cerimônia no Dia da Amazõnia (Erika Pinto/IPAM)

Por Lucas Guaraldo*

Representantes do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) participaram de roda de conversa do Centro de Ensino Fundamental Caseb, escola pública de Brasília. O evento serviu como oportunidade para debater com o público jovem temas como conservação de florestas e desenvolvimento sustentável.

A roda de conversa foi organizada pelos professores Igor Rocha e Gabriela Azevedo e marcou a abertura da Semana da Biodiversidade no colégio, além de comemorar o Dia da Amazônia e o Dia Internacional da Mulher Indígena. Ao longo da cerimônia, os pesquisadores debateram sobre a importância do bioma Amazônico para o Brasil e para o mundo e sobre a degradação de recursos naturais pela ação humana.

Para a pesquisadora do IPAM Erika Pinto, aproximar-se do público mais jovem é fundamental para enriquecer o debate ambiental e incluir na luta contra as mudanças climáticas aqueles que herdarão os maiores desafios.

“Os jovens precisam ser envolvidos na pauta ambiental. Eles devem ser reconectados com o meio ambiente, seja por vivências, debates ou processos de sensibilização, uma vez que são os herdeiros de um futuro repleto de desafios, sendo o maior deles a crise climática. É urgente que entendam as oportunidades de engajamento para darem sua contribuição e protagonizarem um processo profundo de mudança na sociedade”, alertou a pesquisadora.

Erika Pinto, Gabriela Azevedo e Nayra Paye, participaram da roda de conversa no Dia da Amazônia (Erika Pinto/IPAM)

Conservação na sala de aula

Para a professora Gabriela Azevedo, organizadora do evento, a apresentação do IPAM para os estudantes serviu tanto para mostrar dados atualizados sobre o bioma amazônico, quanto para dar luz ao caminho a ser percorrido pela conservação.

“As contribuições da pesquisadora Erika Pinto e da estudante de geografia Nayra Kaxuyana foram complementares com informações técnicas sobre o bioma, as riquezas, as ameaças, as contradições e os riscos que o envolvem, além de possíveis caminhos para a participação das pessoas para a sustentabilidade”, ressaltou Azevedo.

Ao longo do debate, as participantes trataram de assuntos como biodiversidade, recursos hídricos, mudanças climáticas, rios voadores, papel dos povos que vivem na floresta e produção rural familiar na conservação, as ameaças à Amazônia e curiosidades sobre a região.

A professora também destacou a importância da participação da estudante de geografia e estagiária do IPAM Nayra Paye, jovem indígena do povo Kaxuyana da terra indígena Parque do Tumucumaque, no Pará, que preside a Associação dos Acadêmicos Indígenas da UnB (Universidade de Brasília).

Segundo Azevedo, a estudante despertou o interesse dos estudantes pelo modo de vida, tradições, território, língua e histórias do povo Kaxuyana. “Nayra nos trouxe a potência do encontro entre jovens, a valiosa contribuição do seu lugar de fala e representatividade. Agradecemos a parceria e contribuição do IPAM nessa jornada.”

Estagiário sob supervisão de Natália Moura*


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.