×

IPAM Amazônia | Exposição fotográfica dá visibilidade às mulheres na cadeia do açaí

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Exposição fotográfica dá visibilidade às mulheres na cadeia do açaí

20.01.2023Notícias
daisy photographed from below
Registro parte da exposição “Açaí: na trilha das mulheres”. Foto: Ana Mendes

Por Sara Leal*

A exposição  “Açaí: na trilha das mulheres” será aberta ao público a partir desta sexta-feira (20). A mostra é resultado de uma documentação fotográfica feita por Ana Mendes sobre a participação das mulheres na cadeia produtiva do açaí nas comunidades Jacaré Xingu e Nazarezinho do Rio Meruú, nos municípios paraenses Cametá e Igarapé-Miri, e da oficina “Experimentações fotográficas – açaí, patrimônio e identidade”, ministrada pelos arte educadores: Irene Almeida, Evna Moura e José Viana da Associação Fotoativa, na qual participaram mais de 100 ribeirinhos, entre adultos e crianças, das mesmas comunidades.

A primeira exposição será em Cametá, na SEMED (Secretaria Municipal de Educação), e ficará aberta ao público até o dia 26 de janeiro, para depois seguir para Igarapé-Miri, onde estará hospedada do dia 28 de janeiro ao dia 2 de fevereiro do sindicato dos trabalhadores e trabalhadoras rurais de Igarapé-Miri. Ainda em fevereiro, será a vez de Belém receber a exposição, com datas e locais a confirmar.

A iniciativa faz parte do projeto Metis, financiado pelo Fundo Metis, uma realização da AFD (Agência Francesa de Desenvolvimento) em parceria com o IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) e apoio das prefeituras municipais de Cametá e Igarapé-Miri. O intuito é fortalecer a cadeia produtiva do açaí no Pará, especialmente o papel das mulheres ribeirinhas em diferentes etapas do processo.

As mulheres na cadeia do açaí

Atualmente, os dois maiores municípios produtores de açaí são Igarapé-Miri e Cametá, no Pará. Entre as diversas atividades exercidas pelas mulheres ribeirinhas destes locais, é na produção de açaí que elas concentram uma grande parte do seu tempo e mão-de-obra para a geração de renda para a família.

Apesar do papel ser indispensável para a economia do lar, da comunidade, da região, bem como para o comércio nacional e internacional, ainda é comum que este trabalho feminino seja invisibilizado.

As mulheres rurais exercem funções e papéis múltiplos. Muitas delas são vistas como responsáveis pela educação das crianças e pela transmissão dos valores socioculturais às novas gerações, mas nem sempre como elementos-chave nos processos técnicos e produtivos de atividades agrícolas.

“É preciso dar o devido valor a esse trabalho realizado por elas, que muitas vezes é repassado de geração em geração. Não são coadjuvantes do processo, mas protagonistas ativas da cadeia”, afirma a diretora adjunta de Desenvolvimento Territorial do IPAM, Lucimar Souza.

Exposição “Açaí: na trilha das mulheres”

Cametá (PA): abertura no dia 20 de janeiro, de 15h a 17h, até o dia 26 de janeiro, das 8h às 17h – fechado para almoço das 12h às 15h. Local: SEMED. Prédio do Centro Integrado de Educação Profissional – CIEP/SENAI. Av. Benjamin Constant, 438, Centro.

Igarapé-Miri (PA): de 28 de janeiro até 2 de fevereiro, de 9h a 18h. Local: Sindicato dos trabalhadores e trabalhadoras rurais de Igarapé-Miri. Rua Padre Vitório nº 850 – CEP 68.430-000-80.

Belém (PA): datas e local a confirmar.

 

*Jornalista no IPAM, sara.pereira@ipam.org.br


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.