×

IPAM Amazônia | Especialistas debatem possíveis impactos de acordo comercial com UE

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Especialistas debatem possíveis impactos de acordo comercial com UE

22.02.2021Notícias
daisy photographed from below

O primeiro episódio da série OCAA Webinários (Observatório de Comércio e Ambiente na Amazônia) foi ao ar na última sexta-feira (19) aprofundando o debate sobre as possíveis consequências do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia para a floresta amazônica. O documento, assinado em 2019, após duas décadas de negociações, ainda precisa ser ratificado pelos 31 Estados envolvidos para entrar em vigor. Questões ambientais que envolvem a Amazônia estão entre os principais entraves para sua confirmação.

O programa debateu dois estudos sobre o tema, que chegaram a conclusões diferentes sobre a relação desflorestamento e desenvolvimento econômico — Is the EU Mercosur Agreement Deforestation Proof?, publicado pelo Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), e Sustainability Impact Assessment, da London School of Economics.

Conforme destacou a especialista sênior em análise ambiental da universidade britânica, Stefania Lovo, entre 2003 e 2012, houve uma queda no desmatamento no Brasil. No período seguinte, de 2012 a 2018, foi registrado um leve aumento, enquanto em 2019, o país teve um “aumento significativo” em áreas devastadas.

Ela destacou que a queda foi uma resposta a iniciativas politicas apropriadas e defendeu evidências de que o aumento na produção de soja e carne não está necessariamente atrelado à perdas ambientais.

Lovo salientou que o acordo deve aumentar o crescimento do setor agrícola e que o futuro do meio ambiente no Brasil depende mais de políticas públicas do que do acordo em si. A pesquisadora rebateu críticas de que o país poderia afrouxar regras de sustentabilidade. “Sem o acordo, como seria? Ficaria melhor?”, indagou.

Por outro ângulo

Paulo Barreto, pesquisador sênior do Imazon, uma das organizações membro do OCAA, apresentou o estudo Is the EU Mercosur Agreement Deforestation Proof.

Ele destacou um levantamento que observou aumento significativo no desmatamento em 189 países, três anos após acordos comerciais internacionais serem firmados e entrarem em vigor. O estudo traça uma geografia da perda ambiental, avaliando diferentes cenários e a elasticidade comercial dos produtos comercializados nessas regiões.

Cauteloso sobre os desdobramentos do pacto comercial, Barreto afirmou que “de fato, o Brasil poderia produzir sem desmatar”. Ele acrescentou, porém, que as atuais condições políticas do país indicam um risco real de um efeito contrário, produzindo um aumento no desmatamento.

O webinário foi mediado pelo coordenador de comunicação do Observatório do Clima, Claudio Angelo, e pode ser acessado, na íntegra, no canal do OCAA no Youtube.

Para mais estudos como esses e para acompanhar o debate sobre comércio e Amazônia, conheça o site do OCAA.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.