×

IPAM Amazônia | COP27 termina com acordo sobre fundo para perdas e danos

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

COP27 termina com acordo sobre fundo para perdas e danos

21.11.2022Notícias
daisy photographed from below
Negociadoras de Maldivas na plenária final da conferência indicam ponto de inflexão do planeta com “relógio climático” (Foto: Kiara Worth/UNFCCC)

A última plenária da COP27, a Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas, começou às 4h da manhã de domingo e terminou às 9h20, horário de Sharm El-Sheikh, no Egito, com um acordo sobre o fundo de compensação de perdas e danos. O mecanismo vai possibilitar que países considerados em desenvolvimento tenham acesso a um recurso inicialmente fixado em 100 bilhões de dólares para medidas de prevenção e adaptação aos impactos das mudanças climáticas.

A criação do fundo também implica no reconhecimento, por parte dos países ricos, do fato que é desses países a responsabilidade pelo aumento da concentração de carbono de atmosfera e, consequentemente, pelo superaquecimento global.

Faltam duas definições para a medida ser colocada em prática: quais países vão ceder os recursos e quais estarão habilitados para recebê-los.

Também houve avanços na discussão sobre o artigo 6° do Acordo de Paris: agora, com as resoluções sobre o quadro regulatório, os países e órgão revisor criado na COP26 poderão acelerar a construção dos modelos para a concretização dos mercados de carbono.

Em outros temas, como a redução nas emissões de gases do efeito estufa, não houve atualização nas metas já definidas e assumidas pelos países na COP26, que ocorreu em Glasgow, na Escócia.

Tipping point global

Durante a plenária final, negociadoras de Maldivas tiveram em sua mesa um “relógio climático” apontando para o tipping point, ou ponto de inflexão, do planeta ao ultrapassar o limite definido de 1,5°C no aumento da temperatura média global. Segundo a contagem regressiva, se seguir no ritmo atual, o mundo pode chegar a esse patamar em 6 anos e 244 dias. O país insular asiático é um dos mais vulneráveis à elevação do nível do mar, decorrente das altas temperaturas que expandem o volume dos oceanos e que fazem derreter geleiras.

Clima de encerramento

No último dia da COP27, a maioria dos pavilhões estava em clima de encerramento ou, em alguns casos, sendo desmontados. O público nos corredores foi menor do que nos outros dias da conferência, sendo composto, basicamente, pelas equipes dos pavilhões e pelas pessoas que trabalharam no evento.

O Brazil Climate Action Hub concluiu a programação com duas mesas: “Atuação Parlamentar em Perdas e Danos – Perspectivas do Global Sul” e “O papel de um mercado de carbono regulado para apoiar o setor empresarial brasileiro no alcance de metas net-zero”. Organizado pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) em parceria com o Instituto Clima e Sociedade e com o ClimaInfo, o espaço da sociedade civil brasileira na COP27 sediou discussões durante todo o evento. É possível assistir às gravações no site.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.