×

IPAM Amazônia | Solos e geopaisagens do município de Cruzeiro do Sul, estado do Acre: potencialidades e fragilidades

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Solos e geopaisagens do município de Cruzeiro do Sul, estado do Acre: potencialidades e fragilidades

23.06.2021Documentos e relatórios Nilson Gomes Bardales, Edson Alves de Araújo, Eufran Ferreira do Amaral, João Carlos Ker, Genilson Rodrigues Maia, Dheme Rebouças de Araújo, Emanuel Ferreira do Amaral, Tadário Kamel de Oliveira, Idésio Luís Franke, João Luiz Lani, Lucieta Guerreiro Martorano, Antônio Willian Flores de Melo, Jaireandson da Silva Negreiros

O Estado do Acre tem sido referência internacional na gestão territorial a partir do seu Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) que permitiu avaliar as fragilidades e potencialidades do território em uma visão integrada e vislumbrar a necessidade de avançar continuamente rumo a uma gestão municipal e um método de baixo para cima, no que se refere ao processo de tomada de decisão das políticas públicas estratégicas e ao diálogo com a sociedade.

O planejamento de uso e ocupação do território municipal deve contemplar, necessariamente, o conhecimento detalhado dos seus solos, para permitir a conservação das áreas frágeis e o manejo adequado daquelas áreas com maior potencial agropecuário, florestal, agroflorestal ou agrícola, de forma a contribuir para resultados adequados do ponto de vista social, ambiental e econômico.

Este trabalho é um marco dos levantamentos de solos, no âmbito do PronaSolos (Programa Nacional de Solos do Brasil) e das relações com as prefeituras municipais do Estado do Acre, de forma estratégica, estruturada e com metodologia mais robusta que permitiu obter um produto temático em alta resolução, que vai se constituir na base para o estabelecimento de projetos, programas, políticas e para apoiar ações como o Programa de Intensificação de Cadeias Produtivas Prioritárias – Procap, os planos de recuperação ambiental, planos municipais de combate ao desmatamento e programas de incentivos aos serviços ambientais.

Download

Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.