×

IPAM Amazônia | Amazoniar: como alcançar uma produção e um consumo sustentáveis

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Amazoniar: como alcançar uma produção e um consumo sustentáveis

19.02.2021Notícias
daisy photographed from below
Foto: divulgação / IPAM

O quinto episódio da série on-line Amazoniar: Estabelecendo um diálogo entre Brasil e Europa sobre a Amazônia, abordou os caminhos fundamentais para alcançar uma produção e um consumo sustentáveis. O episódio foi exibido na quinta-feira (18) e está disponível no canal do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) no YouTube.

Por ser um dos maiores exportadores de commodities e de produtos originais da região amazônica, o Brasil tem um protagonismo essencial na temática do comércio internacional e ambiental sustentável – é o que defende a analista regional para América Latina da TFA (Tropical Forest Alliance), Andrea Werneburg.

A analista ressalta que o país possui 40% das florestas mundiais. “Obviamente, o Brasil e a América Latina querem crescer economicamente (…), mas a visão é de não o fazer às custas do meio ambiente. Há formas de se desenvolver integradamente, temos conhecimento e experiências que nos auxiliam nesse sentido”, explica.

O diretor executivo do IPAM e moderador da conversa, André Guimarães, salientou os diferenciais que alguns produtos tradicionalmente amazônicos podem oferecer para a conservação. “É importante entender que, ao pagar um valor que pode se considerar alto pelo açaí ou pela castanha, esse custo a mais também significa que aquele processo de produção tem como resultado a floresta em pé”. Segundo ele, é necessário posicionar esses itens junto aos consumidores nacionais e internacionais, de modo a valorizar e incentivar a produção comunitária sustentável.

Há anos trabalhando com projetos voltados para a produção responsável junto à agricultores familiares e extrativistas da Amazônia, a diretora adjunta de Desenvolvimento Regional e pesquisadora do IPAM, Lucimar Souza, evidenciou as dificuldades que esses grupos enfrentam para que seus produtos cheguem ao mercado.

“Há desafios de infraestrutura, como a qualidade da água, energia elétrica, estradas, além de um mercado que até pode estar aberto para esses produtos, mas quer volume de produção” explica a pesquisadora. Para ela, a busca de soluções passa, imprescindivelmente, pela assistência técnica.

Para Andrea Werneburg, enxergar o potencial que existe na Amazônia em relação aos serviços ecossistêmicos que a floresta presta para o mundo, faz parte da solução. “Devemos considerar nossas riquezas de recursos como um ativo financeiro de fato (como o carbono) e, quem sabe, trazer esse investimento para auxiliar as cadeias produtivas, resolvendo problemas como esses citados pela Lucimar, por exemplo” finaliza.


Este projeto está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Saiba mais em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.