×

IPAM Amazônia | Seminário sobre governança socioambiental na Amazônia reúne diferentes atores

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Seminário sobre governança socioambiental na Amazônia reúne diferentes atores

22.06.2017Notícias
daisy photographed from below

Representantes de universidades, sociedade civil, organizações financiadoras e setor público se reuniram essa semana em Brasília para debater o atual estado da governança socioambiental da Amazônia. O evento teve como foco a troca de experiências em escalas municipal, estadual e federal, com o fortalecimento de práticas produtivas sustentáveis.

Para a coordenadora de redes e parcerias do Fundo Vale, Márcia Soares, foi um momento importante para valorizar o diálogo. “Conseguimos integrar instituições relevantes com diferentes perfis e a partir deste espaço coletivo poder contribuir com iniciativas que influenciem o cenário socioambiental.”

O seminário “Governança socioambiental na Amazônia: atualidades e aspirações” aconteceu nos dias 21 e 22 de junho no Centro Cultural de Brasília e foi organizado pela Universidade da Flórida, WWF-Brasil e Rede de Capacitação da Amazônia (Recam) – composta por doze instituições, entre elas o IPAM.

Segundo Robert Bushbacher, professor no Programa de Conservação e Desenvolvimento Local na Universidade da Flórida, o processo de governança é um fluxo de tomada de decisões que afeta os recursos naturais. “Governança tem a ver com o governo, mas vai além. Estamos passando por um momento difícil de retrocesso em escala nacional, mas essa crise é ao mesmo tempo um desafio e uma oportunidade para os atores locais. A universidade tem o papel de auxiliar neste cenário capacitando as comunidades.”

O indígena Winti da tribo Kisdje, que mora em Querência (MT), destacou a importância de todos serem ouvidos durante os processos de governança. “Nós, indígenas, moramos há tempos na região e conhecemos muito bem a natureza. Contribuímos com o nosso pensamento e defendemos que o município tem de ter o olhar voltado para a preservação.”

Dentre os estudos de caso discutidos no seminário, a diretora adjunta de políticas públicas e gestão territorial do IPAM, Ana Carolina Crisostomo, apresentou a plataforma Indicar, uma iniciativa que disponibiliza indicadores de impacto de políticas públicas de prevenção e controle do desmatamento nos estados do Acre, Amazonas, Mato Grosso e Pará.

“As plataformas existem para usar a tecnologia a favor da governança, criando um acesso rápido e fácil ao auxiliar nas tomadas de decisão”, afirma Crisostomo.