×

IPAM AmazôniaPesquisadores do cerrado refinam metodologia do MapBiomas para 2018 - IPAM Amazônia

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Pesquisadores do cerrado refinam metodologia do MapBiomas para 2018

09.06.2017Notícias
daisy photographed from below

Reunidos em Brasília esta semana, cerca de 30 pesquisadores especialistas em cerrado de todo o Brasil debateram os ajustes necessários para a terceira coleção do MapBiomas (Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil), iniciativa do Observatório do Clima em colaboração com 18 instituições, entre universidades, ONGs – entre elas o IPAM – e empresas de tecnologia.

Com expectativa de entrega no primeiro semestre de 2018, essa fase trará o mapeamento dos biomas brasileiros desde 1985, ampliando o levantamento já disponível, de 2000 a 2016, e dessa forma contando a história recente de ocupação do solo no Brasil. O cerrado, por sua extensão – é o segundo maior bioma do país – e complexidade – especialmente na alta sazonalidade que apresenta, com variações profundas na cobertura vegetal ao longo do ano –, é um dos mais desafiadores.

O workshop “Mapeamento e dinâmica do uso e cobertura da terra do bioma Cerrado – MapBiomas – Oportunidades e Desafios”, realizado na Universidade de Brasília, foi o primeiro encontro dessa magnitude a nível nacional, reunindo pesquisadores de campo e representantes das instituições envolvidas. Para Ane Alencar, diretora do IPAM e coordenadora do trabalho com cerrado no MapBiomas, é fundamental ter a visão de quem entende na prática a dinâmica da vegetação do bioma e saber como é possível incorporar esse conhecimento no mapeamento. “Essa troca de conhecimento e experiência é crucial para aperfeiçoar a coleção três do projeto”, afirma.

A paisagem do cerrado muda bastante entre as estações chuvosa e seca, e a compreensão desses dois períodos e o balanço entre eles é um dos maiores desafios na mesa dos pesquisadores. “Esse é um cuidado que estamos tendo e por isso chamamos as pessoas que entendem muito dessa dinâmica para ajudar a gente”, explica Alencar.

Só o olhar de quem está permanentemente no campo pode dar a dimensão precisa dos processos de degradação e regeneração, por exemplo, uma vez que as imagens de satélite não mostram essas variações tão claramente quanto no caso de um sistema florestal típico.

“Só no campo é possível identificar a entrada de invasores, as mudanças na composição, se espécies de áreas protegidas desapareceram e aí em diante. Enquanto o desmatamento converte, a degradação come pelas beiradas, uma forma muito insidiosa de perda de integridade ecológica”, explica a professora da UnB Mercedes Bustamante, especialista em ecologia de ecossistemas.

Ampliando horizontes

O debate iniciado no evento refina a metodologia aplicada até aqui e coloca em perspectiva detalhes que farão toda a diferença no desenho de políticas públicas, além de oferecer um horizonte novo para a pesquisa científica brasileira.

Para Bustamante, abarcar em uma única coleção um período de quatro décadas é um avanço considerável sobre a anterior, que oferecia recortes de tempo específicos, com lapsos entre uma base de dados disponível e outra. “O caminho é esse mesmo, ser bastante transparente e buscar o apoio da comunidade científica. O potencial dessa construção colaborativa é enorme”, afirma.

O coordenador de mapeamento e monitoramento da ONG The Nature Conservancy, Mario Barroso, uma das instituições parceiras no MapBiomas, também acredita que esse projeto vai mudar os paradigmas de mapeamento no Brasil e na América do Sul. “Estamos em um processo de aprendizado e essa reunião melhora a produção de mapas e das séries temporais com dados ainda mais confiáveis. A coleção três mudará a forma de se fazer mapeamento no Brasil.”

As duas primeiras coleções do MapBiomas estão disponíveis no site oficial do projeto.