×

IPAM Amazônia | Nova metodologia mede efetividade do registro ambiental no campo

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Nova metodologia mede efetividade do registro ambiental no campo

09.03.2018Notícias
daisy photographed from below

Um artigo científico publicado em janeiro na revista “Elementa” indica que a efetividade do registro ambiental de propriedades rurais depende de inúmeras condicionantes, entre elas seu tamanho e a região ou o estado em que os proprietários estão localizados.

O artigo atual é uma sequência de outro, publicado no ano passado, e foca nos cadastros de apenas dois estados, Mato Grosso e Pará, que implementaram seus sistemas em 2009 e 2008, respectivamente, com o objetivo de acelerar o processo de conformidade com o Código Florestal e melhorar as capacidades de monitoramento dos estados. Eles são anteriores ao Cadastro Ambiental Rural (CAR), criado em 2012 com a nova versão do Código Florestal.

“É uma nova forma de responder uma pergunta inspirada em outros campos metodológicos. Esse artigo representa o avanço da ciência, ao responder de uma forma nova e mais robusta a relação entre o cadastro e desmatamento”, afirma um dos autores do estudo e pesquisador do IPAM, Marcelo Stabile.

Do ponto de vista metodológico, os modelos estatísticos propostos apresentam algumas vantagens em relação aos modelos que atualmente são aplicados para avaliar as políticas ambientais ao usar métodos epidemiológicos. “Para melhorar as práticas de governança ambiental e garantir avanços, é crucial determinar os caminhos mais assertivos com base metodológica, por isso a importância deste estudo”, finaliza Stabile.

O CAR, que substituiu os sistemas regionais, visa a documentar o grau de conformidade ambiental de mais de 5 milhões de propriedades rurais no Brasil. O registro é uma iniciativa voluntária do proprietário, embora obrigatória no Código Florestal. Os benefícios de se juntar ao CAR incluem uma menor chance de receber multas por não cumprir as leis ambientais, oportunidade de vender para cadeias de fornecimento que possuem acordos de desmatamento, como os da soja e do gado.