×

IPAM AmazôniaAnimais selvagens podem ajudar a recuperar áreas degradadas na Amazônia - IPAM Amazônia

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Animais selvagens podem ajudar a recuperar áreas degradadas na Amazônia

02.03.2017Notícias
daisy photographed from below

A instalação de armadilhas fotográficas e a análise de fezes da anta têm ajudado pesquisadores a entenderem o papel de animais na dispersão de sementes e na recuperação natural de áreas degradadas da Amazônia.

O estudo feito pelo biólogo Rogério Libério na Fazenda Tanguro (MT), na transição entre os biomas cerrado e amazônico, avalia como esse mamífero presta o serviço ambiental ao se alimentar e caminhar livremente pela área. Para obtenção do mestrado na Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), cuja tese foi defendida no fim de fevereiro, ele coletou e catalogou mais de 120 mil sementes de pelo menos 20 espécies.

Além das antas, outros animais foram capturados pelas câmeras: aves, veados, gato mourisco, onças, tatus e catetos já foram observados.

As armadilhas fotográficas foram instaladas em três pontos diferentes da fazenda: em uma floresta que não sofreu influência do homem (chamada de controle) e em duas áreas que já sofreram queimadas controladas (anuais e a cada três anos). Elas vão contribuir para levantamento populacional e monitoramento de médios e grandes mamíferos.

O projeto Tanguro, liderado pelo IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) funciona há mais de uma década e é atualmente o maior e o mais longo experimento com fogo controlado em florestas tropicais do mundo. Ele analisa as consequências da transformação da paisagem e a fragmentação do habitat.

A análise da diversidade de animais da região foi teve início com o pesquisador Oswaldo de Carvalho, detalhadas no livro “Os animais da Tanguro”, lançado em 2011 (disponível para download).