Notícias

Home » Notícias » Amazônia Andina está ameaçada por obras de 150 hidrelétricas, diz estudo

19 de Abril de 2012

  • Mail
  • Delicious
  • Twitter
  • Google Bookmark
  • Live
  • Facebook
  • A- A+

Amazônia Andina está ameaçada por obras de 150 hidrelétricas, diz estudo

Do Globo Natureza, em São Paulo

Nascente do Rio Amazonas na Cordilheira dos Andes. Construção de hidrelétricas em cinco países pode afetar conectividades dos rios e ameaçar biodiversidade local. (Foto: Rede Globo)
Nascente do Rio Amazonas na Cordilheira dos Andes. Construção de hidrelétricas em cinco países pode afetar conectividades dos rios e ameaçar biodiversidade local. (Foto: Rede Globo)

Construções afetariam biodiversidade, fluidez das águas e de sedimentos. Usinas devem ser erguidas em cinco países, entre eles o Brasil.

A construção de barragens na região da Amazônia Andina poderá provocar danos ambientais nas cabeceiras dos rios, ameaçando a biodivesidade de bacias hidrográficas que ligam os Andes à Amazônia, afirma estudo publicado nesta semana na revista “PLoS One”.

De acordo com a publicação, elaborada por organizações ambientais, além de pesquisadores do Centro para Leis Internacionais de Meio Ambiente e da Universidade da Carolina do Norte, dos Estados Unidos, nas seis bacias hidrográficas que abrangem Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador e Peru está prevista a construção de 150 usinas hidrelétricas.

Mais da metade delas vai gerar mais de 100 MW e cerca de 40% dos projetos já estão em estágio avançado de construção. Em um ranking elaborado pelos pesquisadores, metade dos empreendimentos são considerados de alto impacto ambiental.

A pesquisa afirma ainda que 60% das 150 barragens provocariam uma grande ruptura na conectividade dos rios amazônicos, ameaçando a várzea da região.

Leia matéria completa no site do G1

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. » Conheça as regras para aprovação de comentários no site do IPAM