×

IPAM Amazônia | Guia para o atendimento ao Código Florestal ganha versão chinesa

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas
IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Protocolo quioto, o que é protocolo de quioto, porque lugares como florestas tem mais chuvas?, credito de carbono, redd, mudanças climáticas globais, o que é efeito estufa, protocolo de kyoto

Protocolo de Quioto, Ipam, Efeito Estufa, Mercado de Carbono, Recuperação de áreas degradadas, Mudanças Climáticas, Crédito de Carbono, Mudanças Globais climáticas

IPAM Amazônia | Desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo crescimento econômico, justiça social e proteção da integridade de seus ecossistemas.

Guia para o atendimento ao Código Florestal ganha versão chinesa

12.03.2018Notícias
daisy photographed from below

Com o objetivo de ajudar os compradores chineses de commodities florestais e agrícolas a verificarem o atendimento ao Código Florestal brasileiro em suas cadeias de suprimento, a BVRio e CDP lançam o  “Guia prático para a análise do atendimento ao Código Florestal” na versão chinesa. A versão original do guia foi desenvolvida por BVRio, Proforest e IPAM, sob a égide do Observatório do Código Florestal.

O documento apresenta as ferramentas disponíveis e em desenvolvimento para a cobrança e implementação do Código junto às cadeias. Os instrumentos são ao mesmo tempo críveis e fáceis de utilizar por equipes de compradores, sem a necessidade de especialistas em questões ambientais ou legais.

“A China já é hoje o maior destino das exportações agropecuárias do Brasil, por isso é fundamental que os compradores chineses entendam a importância do Código Florestal e verifiquem o seu cumprimento. Assim, o setor privado pode colaborar com a transição para um cenário de legalidade no meio rural brasileiro, promovendo uma agricultura sustentável nacional e internacionalmente”, afirma o pesquisador do IPAM, Tiago Reis.

O Código Florestal (Lei 12651/2012) é um instrumento essencial para assegurar agronegócios de alto padrão, estabelecendo critérios para uso do solo e conservação da vegetação nativa em propriedades rurais. Por exemplo, um dos requisitos criados pelo Código Florestal é que todas as propriedades rurais no país mantenham certa quantidade de terra sob vegetação nativa – chamada reserva legal – que pode chegar até 80 % da terra na região amazônica. A aplicação desta lei cria um dos mecanismos mais poderosos para evitar o desmatamento e proteger as florestas.

Os mercados de commodities agropecuárias e florestais brasileiras têm um papel importante na implementação da legislação ambiental brasileira, e, por conseguinte, na redução do desmatamento. Ao exigir conformidade ambiental aos produtores de commodities, o setor privado pode fornecer um forte impulso para a transição dos setores florestal e agrícola no sentido da sustentabilidade e da legalidade. Além disso, exigir o cumprimento da lei da parte dos seus fornecedores permitirá aos compradores chineses demonstrar que os seus produtos derivam de fontes agrícolas sustentáveis e que não contribuem, por exemplo, para o desmatamento no Brasil.